História do Husky Siberiano


_ A origem do Husky Siberiano é bastante remota sendo conhecido na Sibéria há quase 2.000 anos, onde foi desenvolvido pelos Chukchi com o objectivo de usá-lo para puxar trenós com pequenas cargas, por longas distâncias, com pouca comida e nas condições de tempo mais rigorosas, com temperaturas que chegam facilmente à - 60º C.
Em 1909 os primeiros Huskies partiram da Sibéria para o Alaska de onde começaram a conquistar a simpatia do mundo todo.

Em 1925 ganharam o reconhecimento mundial ao ajudar a salvar a população de uma aldeia no Alaska que, assolada por uma epidemia, não poderia receber medicamentos por que tempestades de neve impediam o pouso dos aviões. Na ocasião, mais de 150 animais de várias raças de cães puxadores de trenó foram mobilizadas para fazer chegar os medicamentos percorrendo uma distância de 1054 quilómetros em 5 dias e meio, mas o trajeto mais complicado e difícil coube aos Huskies Siberianos, liderados por Togo e Balto.

Até hoje, em comemoração ao feito dos cães é realizada uma famosa corrida (Iditarod Trail) até a cidade de Anchorage, salva pelos cães. Usado como cão de tração, carregava cargas até 20 kg no dorso, no trabalho com os esquimós. Aliás HUSKY significa forte (nota-se inclusive a semelhança com o a palavra em Portuês rústico, apesar do Husky ser muito amigo e dócil, ele forte e corajoso). Quem já viu, durante uma queima de fogos, um cão se escondendo ou tremendo de medo? Um Husky Siberiano você jamais verá!

A raça foi reconhecida pelo AKC em 1930. No Brasil, está entre as cinco raças mais registradas desde 1990. O mesmo ocorre no Japão, Itália e Espanha. Mas a popularidade da raça trouxe graves consequências não apenas para o "plantel" nacional mas também para os próprios cães, uma vez que, infelizmente, muitas pessoas acabam adquirindo um filhote de Husky por apaixonarem-se apenas pelos seus "belos olhos" (caractrísta que não é de todos os Huskies, mesmo puros)... e por não conhecerem as necessidades da raça acabam se desfazendo dos cães.